Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Apresentados

Dizer adeus aos bocadinhos

Dizer adeus nunca fica mais fácil, aliás, acho que é cada vez mais difícil,  como se cada vez que me despedisse viessem à tona todas as outras vezes que tive de o fazer. Forma-se uma coleção de dores miudinhas. Quis muito escrever sobre a nossa despedida da Bélgica, mas estava doloroso. Foi mais doloroso ainda pois o adeus não foi de repente mas sim aos bocadinhos, como se tivesse a viver um luto prolongado. Disse adeus aos bocadinhos porque aprendi a gostar daquele lugar também aos bocadinhos. O seu estilo despreocupado mas elegante, os seus cafés, que aos olhos do S* eram exageradamente alternativos, as suas ruas largas e finitas, as estações que se apresentavam em tom dramático, o aroma a "gaufre" nas ruas cinzentas e manchadas, a cerveja e o chocolate, o verde, o magnífico verde a dois passos de casa e os amigos do coração, belas pessoas cujos filhos vi nascer e crescer. Hoje, com as caixas já arrumadas e com uma casa que aos poucos se vai tornando um novo ninho, começamo

Mensagens mais recentes

Sobre as rotinas

Se eu pudesse... (as minhas três filhas e o amor que dói!)

Saber agradecer

Quantos dias cabem num mês?

Desaparecer de mim e as saudades de uma máquina de escrever

Carolina - Dos pequenos textos que nunca foram publicados.

Meia-noie e cá estamos

Sem motivo aparente

Ontem

Da série 'Textos antigos que andavam escondidos'